GERAL

GERAL/style

POLICIAL

POLICIAL/style

Acompanhe as principais notícias sobre política em Imperatriz

Confira a lista de concursos e seletivos abertos no Maranhão

POLÍTICA

POLÍTICA/style

ESPORTE

ESPORTE/style

CULTURA

CULTURA/carousel

OPORTUNIDADES

EMPREGO/block

Rodrigo Maia (DEM) é reeleito presidente da Câmara no primeiro turno


Por iG São Paulo * | 01/02/2019 
Edição André Gomes 

Chefe da mesa diretora desde a cassação de Eduardo Cunha, democrata obteve 334 votos nesta sexta-feira após angariar o apoio de 11 partidos
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados - 1.2.19
Eleito para substituir Cunha em 2016, Maia venceu de novo em 2017 e chegou à terceira vitória na Câmara dos Deputados

Com 334 votos, Rodrigo Maia foi reeleito presidente da Câmara dos Deputados na noite desta sexta-feira (1ª) e permanecerá no cargo por mais dois anos.


Maia derrotou, ainda no primeiro turno, seis adversários na disputa pela presidência da Câmara dos Deputados : Fábio Ramalho (MDB-MG), que obteve 66 votos; JHC (PSB-AL), que recebeu 30 votos; General Peternelli (PSL-SP), que teve 2 votos; Ricardo Barros (PP-PR), com 4 votos; Marcel van Hattem (Novo-RS) , com 23 votos; e Marcelo Freixo (PSOL-RJ), que teve 50 votos.

O democrata saiu vitorioso na disputa ao costurar uma grande aliança que superou em muito o mínimo necessário para dispensar a necessidade de segundo turno. Emocionado, Rodrigo Maia agradeceu seus pares após a reeleição e pregou mensagem de diálogo e de modernização

"Teremos muito desafios. A Câmara, que é a casa do povo, precisa de modernização, de modernização, de modernização. Na nossa relação com a sociedade, nos nossos instrumentos de trabalho. Precisamos modernizar nossas leis, simplificá-las e precisamos comandar as reformas de forma pactuada", disse.

Além do presidente, também foram eleitos nesta sexta-feira os ocupantes de outros 11 postos na mesa diretora da Câmara. O deputado Marcos Pereira (PRB-SP) foi eleito para a 1ª vice-presidência, cargo que o deixa responsável por elaborar pareceres sobre os requerimentos de informações e os projetos de resolução. 

A escolha do 2º vice-presidente terá ainda disputa em segundo turno entre Luciano Bivar (PSL-PE) e Charlles Evangelista (PSL-MG). O vencedor ficará encarregado por examinar os pedidos de ressarcimento de despesa médica dos deputados e promove ra interação institucional com os órgãos legislativos dos estados, do Distrito Federal e municípios.

Nas secretarias, a 1ª secretária eleita foi a deputada Soraya Santos (PR-RJ), que será superintendente dos serviços administrativos e de pessoal. É ela quem irá ratificar as despesas da Câmara. 

O deputado Mário Heringer (PDT-MG) ficará à frente da 2ª Secretaria, cargo responsável pelas relações internacionais da Câmara, inclusive a emissão de passaportes dos deputados. Ele também cuidará dos programas de estágio oferecidos pela Câmara.

Os deputados escolheram Fábio Faria (PSD-RN) para 3º secretário, cargo que controla o fornecimento de passagens aéreas aos deputados, além de examinar os pedidos de licença e as justificativas de faltas. E o 4º secretário, posto que supervisiona o sistema habitacional da Câmara dos Deputados, distribuindo os imóveis funcionais para uso dos deputados e concedendo auxílio-moradia aos parlamentares que não ocuparem esses imóveis, será o deputado André Fufuca (PP-MA). 

Os candidatos à suplência são, conforme o número de votos recebidos: Rafael Motta (PSB-RN) para a 1ª suplência com 368 votos; Geovania de Sá (PSDB-SC) para a 2ª suplência, com 366 votos; Isnaldo Bulhões Jr (MDB-AL) para a 3ª suplência, com 315 votos; e o deputado Assis Carvalho (PT-PI) para a 4ª suplência, com 283 votos.
Como foi a eleição na Câmara dos DeputadosValter Campanato/Agência Brasil - 1.2.19
Plenário da Câmara dos Deputados na sessão para escolha do novo presidente da Casa

A sessão que definiu a reeleição de Maia foi aberta no plenário Ulysses Guimarães por volta das 18h15 pelo deputado Gonzaga Patriota (PSB-PE) – que comandou a sessão por ser, aos 72 anos, o parlamentar mais antigo da Casa. A votação, realizada por meio do voto secreto em cabines fora do plenário, teve início às 20h04 e acabou pouco antes das 21h30.

Foram dados a cada um dos postulantes à presidência tempo de dez minutos para discursarem na busca por votos. O primeiro a falar foi van Hattem, que pregou a ideia de renovação, com discurso forte contra o fim do foro privilegiado. Depois, falou Freixo, que defendeu o "resgate do espírito da Constituição de 1988", pregou mensagem de defesa à democracia e atacou o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Maia foi o terceiro, destacando a necessidade de reformas no País e pregando que a Câmara precisa de alguém com "experiência, equilíbrio e diálogo".

"Agradeço a cada um dos deputados que me deram a honra de presidir a Câmara por quase dois anos e meio. Eu disse a todos que ia presidir de forma democrática, ouvindo a todos, contruindo consensos. Passamos por momentos muito difíceis. O Braisl foi capturado por corporações públicas e privadas e hoje o Estado brasileiro perdeu condições de investir na vida dos brasileiros. Não sei qual é o melhor projeto para a educação, se é como pensa a esquerda ou como pensa a direita. Mas, se não reformamos, nem a esquerda e nem a direita conseguirão mudar a educação neste País. Por isso, volto a essa tribuna com muita honra e muita emoção pedindo o voto de cada deputado e cada deputada. As reformas não são simples, mas elas são necessárias", pregou Maia. 

"Para renovar este país, nós precisamos ter muita clareza no que fazer. Mas tem uma palavra que precisa ser um mantra: modernizar. Modernizar o Poder Legislativo, as nossas leis, o Poder Executivo. Nós, representantes do povo, precisamos comandar essa pauta de mudanças", complementou.

Na sequência, falou o deputado Fábio Ramalho, que exaltou sua trajetória pessoal e prometeu receber e "olhar no olhar de cada um" dos parlamentares, caso se torne presidente. "O voto é secreto. Vamos ganhar essa eleição", bradou.

O quinto a falar foi o deputado Ricardo Barros, ex-ministro da Saúde do governo Michel Temer (MDB). Barros pregou o fortalecimento do Poder Legislativo, criticando a atuação de integrantes do Judiciário e do Ministério Público que, em suas palavras, "tiraram o ambiente político" para a votação da reforma da Previdência ao longo do governo Temer. "É hora do Poder Legislativo se afirmar", disse.

O candidato JHC foi o penúltimo a discursar, prometendo adotar um "tom conciliador" para impedir que o plenarário se torne "palco de um conflito inegociável". "Vou utilizar de toda a minha capacidade de diálogo para encontrar convergência. [...] Seria uma decepção muito grande não renovar e não alternar o comando da Casa."

O sétimo e último a usar o púlpito do plenário para pedir votos foi o General Peternelli, que pregou independência dos parlamentares em suas posições.
As alianças de Rodrigo Maia por vitória na Câmara dos DeputadosMarcelo Camargo/Agência Brasil - 1.2.19
Rodrigo Maia presidiu abertura de sessão na Câmara dos Deputados

Filho do ex-prefeito do Rio de Janeiro Cesar Maia, o democrata Rodrigo Maia chegou ao posto de atual presidente da Câmara após a cassação do mandato de Eduardo Cunha (MDB-RJ), em 2016. 

Tietado por parlamentares que o abordaram no plenário para tirar 'selfies' desde cedo, Maia contou com o apoio de 11 dos 30 partidos que compõem a nova Câmara, somando mais de 300 parlamentares em seu entorno. Para ser eleito ainda no primeiro turno, Maia precisava de ao menos 257 votos – número que foi superado em 77 pelo democrata.

A aliança em torno de Maia reuniu bancadas de peso, como o MDB (que tem 34 deputados) e o partido do presidente da República, Jair Bolsonaro, o PSL, que detém a segunda maior bancada da Casa, com 52 parlamentares eleitos.

Mesmo partidos do bloco de oposição ao governo manifestaram apoio à candidatura de Maia. Foi o caso do PCdoB, partido que cedeu Manuela D'Ávila, a candidata a vice na chapa de Fernando Haddad (PT) na eleição presidencial de 2018. Também constou no ról de apoiadores de Maia o PDT, partido que lançou Ciro Gomes à Presidência no ano passado.

Ao oficializar sua candidatura, nessa quinta-feira (31), Rodrigo Maia pregou discurso de diálogo. "O Parlamento vai decidir quem vai presidir a Câmara. Meu perfil é de equilíbrio, capacidade de diálogo, de conversar com todas as correntes políticas e ideológicas", afirmou. 

Nenhum candidato teve rede de apoio declarado capaz de ameaçar a vitória de Maia. Marcelo Freixo deu início ao seu primeiro mandato como deputado federal após anos atuando na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) e teve apoio do Partido dos Trabalhadores e da Rede Sustentabilidade.

Os candidatos Fábio Ramalho, General Peternelli e Ricardo Barros figuraram como candidatos mesmo à revelia de seus partidos (MDB, PSL e PP, respectivamente), que oficialmente apoiaram Rodrigo Maia. 

Já Marcel van Hattem, um dos fundadores do Movimento Brasil Livre (MBL) no Rio Grande do Sul), hasteou a bandeira da renovação para tentar atrair o grande contingente de novos parlamentares. Ele contava com o apoio de Kim Kataguiri , que abriu mão de candidatura própria após discussões na Justiça.

A votação para a presidência da Câmara foi realizada por meio do voto secreto . Valter Campanato/Agência Brasil - 1.2.19
Eleito para substituir Cunha em 2016, Maia venceu de novo em 2017 e tenta terceira vitória na Câmara dos Deputados

*Com informações da Agência Câmara Notícias

Nenhum comentário

POESIA DE UMA CRIANÇA PARA MADEIRA 4512

VIDEO PUBLICIDADE

Facebook

fb/www.facebook.com/andreimprensa