Sábado, 04 de julho de 2020
99 98821-3143
Especiais

23/06/2020 às 19h39 - atualizada em 24/06/2020 às 14h36

1.378

André Gomes

Imperatriz / MA

Flagrado, “Pé de Pato” tenta desmanchar crime de superfaturamento
Fizemos essa coleta de preços ontem, 23, mas Zé Carlos, quando fez o processo de “dispensa”, acertou em fornecedores com sobrepreços de até 100%
Flagrado, “Pé de Pato” tenta desmanchar crime de superfaturamento
José Carlos- Pé de Pato


Ele age como um ser inimputável, acima da lei, ações criminosas invisíveis (apesar de tantas vezes escandalizadas com fartura de documentos). José Carlos Soares Barros, o Pé de Pato, presidente da Câmara Municipal de Imperatriz, enfileira crimes de desvio de dinheiro público há anos, do recheio da folha de pessoal com “fantasmas”, “laranjas” e “lagartas”; passando pela farsa da aquisição de quase R$ 200.000,00 em computadores num açougue (licitou, contratou e pagou em um só dia), chegando à imoral compra de 400 testes de covid-19 a R$ 360,00  a unidade, enquanto o mesmo laboratório faz o procedimento a R$ 250,00 ou a R$ 210,00 (quando é nessa quantidade).



Ontem, 23, quando soube que seria denunciado, inseriu na pauta da sessão um comunicado de que o laboratório com o qual fez negócio teria reconhecido “o equívoco” e se prontificou a “doar” à Câmara mais 100 testes. Tarde demais, o crime estava consumado, Pé de Pato já até pagou R$ 75.600,00 pela conta flagrantemente super faturada (veja documento abaixo)



E por quê 400 testes, quando a Câmara, mesmo incluindo cerca de 100  "fantasmas”, “laranjas” e “lagartas ” não chega a 250 “servidores”? Pior ainda, 500 testes (com os 100 da taxa do arrependimento anunciada ontem), para onde irão os quase 300 excedentes?


Outro crime que pode estar configurado é o pagamento antecipado (dia 10 passado), de R$ 75.600,00 ao laboratório, valor que representaria 210 testes aplicados. Pela lei, no setor público só se paga o serviço efetivamente prestado e pelo que o laboratório informou, segunda-feira passada, a fila ainda andava: “basta trazer o papel da câmara que a gente aplica o teste” - disse a atendente cuja primeira sílaba do prenome é ELAI.


Polícia e Ministério Público podem facilmente saber quantas e quais pessoas foram de fato testadas, com respectivas datas, porque o laboratório é obrigado a informar com exatidão aos serviços de controle sanitário.


Os estarrecedores anúncios do reconhecimento do sobrerpreço e dos 100 exames de “bonificação” indicam que os R$ 68.400,00 restantes e já empenhados (para completarem os R$ 144.000,00) vão ser (se é que já não foram) pagos, quando o correto seria anular o negócio, buscar o dinheiro de volta e ressarcir o cofre público de mais esse desvio feito às claras e sem nenhuma cerimônia.


BOI DE PIRANHA - Para criar uma cortina de fumaça sobre seu rosário de crimes, o presidente da câmara e os 12 parceiros de mandato que lhe seguem fielmente, encenam a chamada CPI Fake News, “instalada” sem os 2/3 de assinaturas de lei e sem sequer um documento que dê respaldo ao caso. É como se fazem nas travessias dos rebanhos bovinos: para livrar os animais do castigo das piranhas, solta-se um boi ferido e sangrando a montante, o chamado “boi de piranha” - é dessa forma que pode ser vista a CPI sem pé e nem cabeça.

FONTE: André Gomes

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2020 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium