GERAL

GERAL/style

POLICIAL

POLICIAL/style

Mobilização do PR em Santa Inês atrai milhares de partidários e simpatizantes

Tasso e Perillo abrem mão de candidatura, e Alckmin aceita ser presidente do PSDB

Acompanhe as principais notícias sobre política em Imperatriz

Confira a lista de concursos e seletivos abertos no Maranhão

POLÍTICA

POLÍTICA/style

ESPORTE

ESPORTE/style

CULTURA

CULTURA/carousel

OPORTUNIDADES

EMPREGO/block

Paralisação de caminhoneiros já causou prejuízos de R$ 26 bilhões


Estudo ainda mostra que cofres públicos deixaram de arrecadar R$ 3,8 bilhões em tributos em oito dias de manifestações

Fernando Mellis, do R7 
Publicado em 28/05/2018 
Edição André Gomes 

Greve impactou quase todos os setoresBruno Rocha/Fotoarena/Estadão Conteúdo - 23.5.2018

A paralisação dos caminhoneiros em todo o país já dura oito dias e provocou neste período um prejuízo estimado de R$ 26,3 bilhões em negócios não realizados, segundo um estudo realizado pelo IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação) e Empresômetro.

O levantamento ainda considera que os cofres públicos deixam de arrecadar em torno de R$ 3,86 bilhões com tributos. 

"A base de arrecadação tributária está diretamente relacionada com os fatos econômicos e financeiros que ocorrem no país diariamente. Em decorrência da greve, diversos negócios deixam de ser realizados, como a compra e venda de bens e mercadorias, prestação de serviços, deslocamento de pessoas, contratação de novos empregados, movimentações financeiras, etc.", observam os coordenadores do estudo, Gilberto Luiz do Amaral, Cristiano Lisboa Yazbek, João Eloi Olenike e Lety Mary Fernandes do Amaral.

As projeções mostram também que se as paralisações chegarem a duas semanas, as perdas com negócios não realizados podem atingir R$ 80 bilhões, além de R$ 11,3 bilhões que deixariam de ser arrecadados com impostos.

Hoje, estima-se que entre 60% e 80% da indústria brasileira esteja sendo prejudicada com o movimento dos caminhoneiros. No comércio, os problemas afetam entre 20% e 40% dos negócios.

Os reflexos mais graves são nos transportes, com mais de 80% de empresas e usuários atingidos, e no agronegócio, na mesma proporção.

O levantamento sinaliza para uma situação de colapso de praticamente todos os setores da economia, caso as paralisações cheguem ao 16º dia, com mais 80% das pessoas impedidas de se locomoverem.

Nenhum comentário

VIDEO PUBLICIDADE

Facebook

fb/www.facebook.com/andreimprensa