GERAL

GERAL/style

POLICIAL

POLICIAL/style

Mobilização do PR em Santa Inês atrai milhares de partidários e simpatizantes

Tasso e Perillo abrem mão de candidatura, e Alckmin aceita ser presidente do PSDB

Acompanhe as principais notícias sobre política em Imperatriz

Confira a lista de concursos e seletivos abertos no Maranhão

POLÍTICA

POLÍTICA/style

ESPORTE

ESPORTE/style

CULTURA

CULTURA/carousel

OPORTUNIDADES

EMPREGO/block

Cármen Lúcia cita 'grave momento' político e social e diz que 'democracia é único caminho legítimo'


Ministra não mencionou diretamente pedidos de intervenção militar feitos esteira da greve de caminhoneiros. Segundo ela, um 'regime sem direitos' é um passado 'que não se pode esquecer'.

Por Mariana Oliveira e Fernanda Vivas, TV Globo, Brasília
Publicado em 30/05/2018 
Edição André Gomes 


'A democracia é o único caminho legítimo', afirma Cármen Lúcia

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, abriu a sessão da Corte nesta quarta-feira (30) com um pronunciamento em que citou o "grave momento" político e social pelo qual passa o país e fez uma defesa da democracia. Ela ressaltou que a democracia "é o único caminho legítimo" para a o país buscar as soluções de seus problemas.

A ministra não citou diretamente a paralisação dos caminhoneiros, que bloquearam rodovias em todo país nos últimos dias, numa reivindicação por preços mais baixos para o diesel, entre outros pleitos.

Na esteira do movimento dos caminhoneiros, manifestantes em alguns pontos no país exibiram nos últimos dias faixas e cartazes pedindo intervenção militar.

"Também as democracias vivem crises", disse Cármen. "Mas dificiuldades se resolvem com a aliança dos cidadãos, e a racionalidade, objetividade e trabalho de todas as instituições, de todos os poderes. A democracia não está em questão [...] Não há escolha de caminho. A democracia é o único caminho legítimo", completou a ministra.

De acordo com Cármen Lúcia, "o direito brasileiro oferece soluções para o quadro vivido pelo povo". Ela ressaltou que a sociedade não pode esquecer o passado de "regimes sem direitos".

"Não temos saudade senão do que foi bom na vida pessoal e em especial histórico de nossa pátria. Regimes sem direitos são passados de que não se pode esquecer, nem de que se queira lembrar", disse Cármen.

A ministra ainda defendeu o respeito aos direitos fundamentais do cidadão. "Há de se ter serenidade, mas também rigor no cumprimento e respeito aos direitos, especialmente os direitos fundamentais. Há de ter seriedade e também manter a esperança", afirmou.

Nenhum comentário

VIDEO PUBLICIDADE

Facebook

fb/www.facebook.com/andreimprensa