GERAL

GERAL/style

POLICIAL

POLICIAL/style

Mobilização do PR em Santa Inês atrai milhares de partidários e simpatizantes

Tasso e Perillo abrem mão de candidatura, e Alckmin aceita ser presidente do PSDB

Plenário derruba veto do prefeito Assis Ramos por 13 votos a 6

Acompanhe as principais notícias sobre política em Imperatriz

Confira a lista de concursos e seletivos abertos no Maranhão

Juro Zero

Juro Zero

POLÍTICA

POLÍTICA/style

ESPORTE

ESPORTE/style

CULTURA

CULTURA/carousel

OPORTUNIDADES

EMPREGO/block

Jovem volta à rotina após fraturar coluna durante abdominal invertido


"E se um dia seu corpo parasse? O que você faria?". A pergunta é da jovem Marcelle Mendes Mancuso, de 23 anos, aos seus seguidores em uma rede social. Seu corpo parou depois que ela caiu enquanto fazia um "abdominal invertido" e fraturou a coluna em uma academia de São José do Rio Preto (SP).

Marcelle falou ao G1 sobre o episódio que, por pouco, não a deixou tetraplégica ou com sequelas neurológicas. "Jamais farei abdominal invertido novamente. Descobri um risco que achei que não existia", conta.

O acidente aconteceu em janeiro de 2016. Ela ficou internada por 13 dias, mas o caminho até o total restabelecimento levou quase um ano. Durante três meses, precisou dos mesmos cuidados dedicados a um bebê.

"Não conseguia segurar nada, fiquei sem controle fisiológico, precisei usar fraldas. Minha mãe parou de trabalhar para voltar a cuidar de mim, me dar banho, me alimentar, tudo. Tive que começar do zero, como se tivesse nascido de novo, e acredito que nasci. Parece que dormi e acordei de um pesadelo, apenas com uma cicatriz a mais."

Marcelle estava no último ano de Direito e ia começar a fazer cursinho para prestar a prova da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Ela diz que no dia do acidente resolveu fazer uma aula experimental na academia que ficava perto do cursinho.

Ela caiu ao fazer o "abdominal invertido", em que o aluno fica pendurado pelos pés de cabeça para baixo, que ela já tinha feito várias outras vezes em outra academia.

"Fiz o treino normalmente, corri na esteira e tal. Aí, como gostava de fazer aquele exercício [abdominal invertido], pedi apoio para o personal que estava na academia, que era um estagiário, e ele foi me ajudar. Ele pegou a faixa para me prender e fiz as primeiras séries com ele sentado no meu pé, mas aí pedi para ele me dar suporte nas costas, que era como estava acostumada a fazer", lembra.

Durante o exercício a faixa que a prendia pelos pés arrebentou e ela caiu de cabeça no chão. Marcelle não sabe dizer o que aconteceu. Ela só se recorda de uma médica, que treinava ao seu lado, colocar a mão em sua perna e perguntar se a sentia.

"Não sei o que aconteceu na hora, não sei se o estagiário estava conversando ou distraído. A faixa arrebentou e cai de ponta cabeça. Caí meio que em cima dos pés dele e não deu tempo dele me segurar. Por reflexo, tentei levantar, mas meu corpo não se mexia."

Nenhum comentário